O TJSP - Tribunal de Justiça de São Paulo condenou uma empresa de e-commerce em danos morais e materiais por venda de produto com boleto adulterado. O consumidor ao adquirir um televisor na internet acabou por pagar um boleto bancário adulterado (que só descobriu que era adulterado posteriormente), que resultou na falha da entrega da mercadoria no seu endereço. A loja virtual em sua defesa alegou que o computador do consumidor estava contaminado por vírus, o que teria gerado o boleto corrompido. O Tribunal entendeu que o fornecedor que vende seus produtos em loja virtual e disponibiliza, dentre as formas de pagamento, o boleto bancário, assume o risco do negócio e tem o dever de garantir a segurança do procedimento de compra realizado em seu sistema. No caso, a empresa não demonstrou a contaminação por vírus do computador do cliente.